Embora a prática de segurança com foco em informações seja a responsabilidade dominante da maioria das organizações de segurança atualmente, ela não considera o crescente impacto do uso da tecnologia em outras áreas da companhia. Essa realidade desafia o status quo dos líderes de Segurança e Risco. À medida que os requisitos de segurança relativos à TI aumentam para abranger a “edge” da maioria das organizações, a ampliação nas necessidades de cibersegurança também aumenta para incluir as demandas ciberfísicas.

No Gartner IT Symposium/Xpo, exploraremos os riscos trazidos pela revolução digital e como adaptar seus requerimentos de segurança de TI para atender às necessidades digitais e ciberfísicas. A partir das melhores práticas de uma estratégia de segurança cibernética, os executivos de TI aprenderão como equilibrar os benefícios da digitalização com os riscos novos e emergentes.

Abaixo estão as respostas para algumas das questões mais urgentes sobre segurança, risco e conformidade, bem como sessões destacadas sobre esse tema na conferência deste ano.

Perguntas e respostas com o especialista do Gartner Tom Scholtz, Distinguished VP Analyst em segurança, risco e conformidade

Práticas de segurança e risco continuam a evoluir de acordo com a digitalização. Tecnologias como inteligência artificial (IA) e machine learning, automação de processos robóticos e Internet das Coisas (IoT) oferecem novos riscos e novas oportunidades para os líderes de segurança e risco. Do ponto de vista do risco cibernético, a aceitação da computação em nuvem atingiu seu ponto crítico quando as empresas formalizaram suas estratégias de segurança na nuvem.

Algumas organizações ainda acreditam que a segurança cibernética pode ser efetivamente tratada apenas por meio da tecnologia. Além disso, muitas organizações igualam a conformidade regulamentar ou padrão com segurança cibernética efetiva.

... não poderão competir em seus mercados ou prestar serviços satisfatórios aos seus cidadãos.